Sexta, 31 Julho 2015 17:56

O FORMADOR FRANCISCANO E SUAS RESPONSABILIDADES

A presente reflexão destina-se de modo particular, aos formadores e formadoras dos irmãos e irmãs da Ordem Franciscana Secular, especialmente nos primeiros tempos de discernimento e de escolha, mas  também interessa  aos responsáveis pela formação permanente.  Vamos, no entanto, seguir de perto um texto publicado em italiano (La figura del formatore nel processo formativo, Omar Rodulfo Sanchez, OFMCap, p.   241-284, capítulo do livro  Formazione franciscana oggi. Corso di Teologia Spirituale 11, Edizioni Dehoniane Bologna 2012, a cura de Albert Schmucki), destinado à  formação dos religiosos franciscanos. Talvez aqui e ali o autor do texto acentue a maneira de formar os frades menores. Certamente o leitor saberá fazer a devida adaptação, quando necessário.  Vamos nos ater mais  à questão das responsabilidades do formador (a).  (p. 254-265).

 

Texto de abertura: 

“A função do formador varia segundo o grau de vida espiritual atingido pelo religioso. Suas principais responsabilidades  são:  discernir a ação de Deus, acompanhar o irmão nos caminhos do Senhor, nutrir sua vida de doutrina sólida e de oração vivida. De modo especial,  nas primeiras fases, avaliar o caminho percorrido”  (Documento da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada  e sociedades de via apostólica, 31 de maio de 1983).

 

Discernir

            Discernir a ação de Deus,  ou seja,  a autenticidade  da vocação, do chamamento, a capacidade de resposta em vista da profissão  temporária ou perpétua na OFM ou aquela que fazem os irmãos da OFS.  A responsabilidade do formador, ou de sua equipe, é já discernir a autenticidade  das vocação já na fase inicial.

                No momento de começar a experiência formativa entra em ação um processo de mútuo conhecimento.  O candidato conhece o instituto e o instituto  conhece o indivíduo. Ao lado do discernimento da pessoa que se candidata a determinado gênero de vida  há também o discernimento objetivo  por parte da Igreja através da figura   por parte daqueles que forma escolhidos ou designados para acompanhar o candidato. O discernimento objetivo poderá se concentrar em três aspectos:  reconhecimento do movimento interior do Espírito  na dimensão íntima de um chamado pessoal; avaliação da reta intenção que se poderá  fazer pesando  as motivações a fim de se evitar ilusões e  distorções dispensáveis;  aptidões para eventualmente  abraçar um determinado estado de vida

 

Frei Almir Ribeiro Guimarães

Ler 1302 vezes
© 2016 - Ordem Franciscana Secular do Brasil.
Rua Adro de São Francisco, s/n, Saúde,
Zona Portuária, Rio de Janeiro – RJ
CEP 20081-290 - Fone: 55 (21) 2240-4565
Email: ofsbr@terra.com.br