Sexta, 16 Fevereiro 2018 11:26

O que as fraternidades esperam de seus Ministros?

Frei Almir Ribeiro Guimarães, OFM

  • Pensamos em ministro ou ministra.  Na realidade a questão deveria ser formulada de outra maneira:  O que se espera do ministro e de seu conselho? O ministro anima e governa com seu conselho. Certo que a figura do ministro tem como que alguma coisa de especial. É sempre o primeiro a ser escolhido do dia das eleições. As fraternidades de verdade aos poucos vão preparando alguns de seus membros para serem ministros.  É um serviço que não se improvisa. Necessário que se faça a melhor escolha possível usando a graça do discernimento. O ministro ama os irmãos e a anima a vida da fraternidade.

  • A primeira preocupação do ministro é a de promover a fraternidade, não permitindo que nada se sobreponha ao amor fraterno, que prática alguma venha a ferir a caridade.  Soa aos nossos ouvidos as palavras de São Francisco: “E onde quer que os irmãos estiverem e se encontrarem, tratem-se uns aos outros  como membros de uma só família.  Pois se uma mãe  nutre a ama seu filho carnal, com quanto mais motivação deve cada um amar e nutrir seu irmão espiritual”.

  • Espera-se do ministro que não seja mero funcionário de uma organização, mas pessoa revestida de solicitude e atenção. Ele terá traços de mãe e de pastor. Os irmãos serão tratados com respeito, reverência e compreensão. No caso de ser necessária uma conversão esta será feita com humildade e mansidão. Francisco tinha tempo para os irmãos.  Os ministros colocam os irmãos como prioridade.

  • O ministro seja vigilante, o que não quer dizer “espião”.  Vigilância significa atenção, dar-se tempo de acompanhar a trajetória dos irmãos. O ministro vigilante é aquele que não deixa a ovelha se desgarrar, que previne antes de remediar, que encontram meios e modos que seus irmãos tenham gosto e paixão pelo Senhor.

  • Ele se faz presente pessoalmente na vida dos irmãos. Isto se dá nos dias de reunião, em encontros da fraternidade, fazendo-se presente de quando em vez nos encontros de formação dos iniciantes.  Quando há encontros regionais o ministro se fará incentivador da participação de todos. O ministro une sua fraternidade local ao movimento franciscano e a toda a família franciscana.

  • O ministro não se apega a cargo, não luta para conseguir dois terços da votação no primeiro escrutínio quando já ocupou o cargo por dois períodos seguidos.  “Se a privação do cargo de superior perturbar mais do que a privação do cargo de lavar os pés, os que assim agirem estariam amontoando para si tanto mais riquezas com perigo para suas almas” (Adm 4).

  • O ministro sempre há de se interessar pela vida familiar dos irmãos.  Na realidade, os membros de uma fraternidade são esposo, esposa, filhos, pais, avós.  Tudo o que estiver ligado à família do irmão é preocupação e alegria para o ministro.

  • O ministro haverá de promover a vida apostólica dos membros de sua fraternidade.  Os franciscanos seculares são agentes qualificados da ação pastoral. Estes serão sempre pessoas preparadas para anunciar o Evangelho pela palavra e pela vida com competência.  Não se pode conceber uma fraternidade indiferente à pastoral e evangelização. Ou então agentes de pastoral mais com jeito de funcionários de uma firma.

  • O ministro tem sempre cuidados especiais pelos mais fracos e doentes, seja do corpo ou do espírito.  Os que erram precisam ter a certeza de encontrar misericórdia no coração do ministro. “Não haja irmão no mundo, mesmo que tenha pecado a mais não poder não saia de tua presença sem obter misericórdia diante de teus olhos: ama-o mais do que a mim tendo em vista conquista-lo para o Senhor” (Carta de Francisco a um Ministro).

  • O ministro (sempre com o seu conselho) prestará atenção a determinados ângulos e aspectos da vida franciscana secular:

    • Boa e mesmo excelente qualidade da reunião geral;

    • Atenção aos que faltam, procurando saber se não estão se desmotivando;

    • Fazer com que todos, na medida de seus talentos e possibilidades participem da vida da fraternidade e se sintam úteis;

    • Ninguém pode deixar uma reunião da fraternidade dizendo que perderam seu tempo;

    • Cuidar que os irmãos não percam a identidade franciscana.


Imagem: Internet

Read 837 times
© 2016 - Ordem Franciscana Secular do Brasil.
Rua Adro de São Francisco, s/n, Saúde,
Zona Portuária, Rio de Janeiro – RJ
CEP 20081-290 - Fone: 55 (21) 2240-4565
Email: ofsbr@terra.com.br