Quinta, 01 Fevereiro 2018 18:33

Estudo da Regra em Fraternidade: Artigo 13º da Regra

 
Assim como o Pai vê em cada ser humano os traços do seu Filho, Primogênito entre muitos irmãos, os franciscanos seculares acolham todos os homens com espírito humilde e benevolente, como um dom do Senhor e imagem de Cristo. O sentido da fraternidade os tornará dispostos a igualar-se com alegria a todos os homens, especialmente aos mais pequeninos, para os quais procurarão criar condições de vida dignas de criaturas remidas por Cristo”. (Rg.13)
 
01 –CANTO INICIAL:
MANTRA: Senhor quando nós te acolhemos trazes contigo os nossos irmãos (bis).
 
02 –ORAÇÃO INICIAL:
 Ó Pai bondade que ao enviar vosso filho, para a remissão dos pecados e redução do homem ao caminho do bem, fazei que nós franciscanos sejamos instrumentos da tua mensagem na acolhida, na vida em fraternidade e na perseverança na oração, para que possamos cumpri o vosso santo mandamento do amor. Por Cristo nosso Senhor!
 
 03 -TEMA: Acolhimento

Em meio ao mundo exigente e extremamente corrido em que vivemos atualmente, é fato que as pessoas acabam se tornando cada vez mais inclinadas a serem intolerantes, impacientes, e propensas a rotular as outras.

Sufocados por tantos dilemas e exigências, poucos conseguem ter a devida paciência para com os outros, e muitos, se não alcançam respostas imediatas em um determinado relacionamento, acabam desistindo facilmente destas pessoas que buscavam se aproximar. Descobrir alguém leva tempo. E quando nos tornamos superficiais demais, desistindo facilmente frente ao primeiro desencanto, acabamos por perder a feliz oportunidade de descobrir pessoas maravilhosas.

Como nos convida nosso devocionário a rezar a regra “Auxiliai-nos a acolher a todos os homens como vosso dom e imagem de Cristo”. (Dev. 583).Acolher é receber a pessoa tal qual ela é e se apresenta. E a condição essencial do acolhimento é a empatia. Esta permite e conduz à consideração da pessoa do acolhido na sua integralidade e na sua especificidade única, pedindo simultaneamente que quem acolhe se ponha o mais possível no seu lugar para melhor poder compreender a sua situação real. Com disponibilidade e compreensão, competência e afeto, abertura e flexibilidade, o acolhimento torna-se um espaço no qual as pessoas se encontram para se conhecerem como são e também se aceitarem como são, o que não é incompatível com a sua própria evolução e modificação de atitudes e comportamentos, expectativas e projetos. O qual consiste nesse princípio interno que há de estar na origem da atuação de todo o seguidor de Jesus e se baseia na compaixão como elemento configurador de toda a nossa visão de mundo, da vida, das pessoas, da Igreja e da história.

A acolhida é uma experiência estruturante na vida de toda pessoa, pois se constitui no que mais equilibra o humano, sendo este um desafio fundamental e permanente á saciedade humana: o amar e sentir-se amado.

Nosso fundamento cristão acerca do acolhimento, parte do seguinte ponto: Deus é o sujeito através de suas características que encontramos na sagrada escritura de: condescendência e de misericórdia. Logo podemos refletir nossa temática partindo do principio que o acolhimento Divino, trata-se de uma atitude pedagógica, na medida em que se refere á relação entre pessoas: Deus e os homens, que se configura na condescendência como uma realidade fundante.

O Concílio Vaticano II, na sua Constituição dogmática sobre a Revelação Divina, afirma que na Sagrada Escritura, salvas sempre a verdade e a santidade de Deus, manifesta-se a admirável condescendência da eterna sabedoria para “conhecermos a inefável benignidade de Deus e com quanta acomodação Ele falou, tomando providência e cuidado da nossa natureza” (Gen 3-8).

Percebemos também que a Encíclica Divino afflante Spiritus¹ nos reafirma que “assim como o Verbo substância de Deus se fez semelhante aos homens em tudo, exceto no pecado, assim também a palavra de Deus, expressada em linguagem humana, faz-se em tudo semelhantes à linguagem humana, exceto no erro”. Nisto consiste a condescendência divina como característica pedagógica acolhedora proveniente de Deus para com a humanidade.

Nesse sentido nós franciscanos somos constantemente convidados a “condescender”, isto é “baixar-se juntamente baixar-se juntamente com alguém”, ou então, no caso de significar o baixar de uma só pessoa, este baixar-se aponta já para um ir ter com o outro que está mais abaixo, adaptando-se ao seu nível, com vista a prestar-lhe ajuda ou socorro.

A condescendência divina se trata, pois, do descer de Deus até junto do homem, assumindo a sua historicidade, para salvá-lo a partir justamente da sua condição que, aliás, Deus passa a partilhar.

A misericórdia divina é outra característica do ser de Deus, ser de Deus, muito semelhante à condescendência, mas que põe preferentemente o acento já não na forma da relação de Deus com o Homem, mas sim no conteúdo de amor e intenção salvífica que fundamentam e norteiam essa relação. Podemos perceber em “Javé enche-se de compaixão/misericórdia e liberta-o.” Ex.3, e ainda em “Deus é clemente e compassivo, lento para a ira e cheio de misericórdia”.(Sl. 85).

A atitude de Jesus ao longo de nossa caminhada cristã fora nos assinalando, como sendo uma prática de inclusão e não o contrário. O acolhimento divino estendeu-se a toda Criatura e sua características particulares- o que lhe valeu até incompreensões e antagonismos por parte daqueles que se surpreenderam e escandalizaram com o seu testemunho.

Dentre muitos textos evangélicos apropriados para explicitar a prática de acolhimento de Jesus, as escrituras nos propõe fazer “memorial” de três momentos: o encontro com Nicodemos (Jo.3), a conversa com a mulher adúltera (Jo.8) e o jantar em casa de Zaqueu (Luc. 19). O que nos desperta a fazermos o mesmo seguimento de Cristo, para nos explicitar acerca do que seria a perspectiva cristã do “autêntico acolhimento”.

O verdadeiro amor se expressa em um acolhimento que permite que o outro seja simplesmente o que é sem precisar representar para nos agradar e assim ser aceito. Amar é acolher e buscar compreender. Dessa forma será possível permitir que o outro, neste universo de verdade e liberdade, se revele expressando o amor como sabe, pois só assim este poderá aprender – a partir do amor/acolhida que recebeu – a melhor forma de amar e se ofertar.

Eis o desafio: amar com acolhida e maturidade, sem exigir que o outro se transforme em uma representação fiel do que “estabeleci” como verdade e valor. Assim as pessoas poderão ser de fato pessoas ao nosso lado – ao invés de coisas –, e na verdade do que recebemos e ofertamos, poderemos também nós nos tornar melhores, sem a exigência desumana de precisarmos nos alienar para sermos aceitos.

Acolher é evangelizar! Acolher exige então ser compreensivo, testemunhar uma imagem de Igreja e de vida cristã muitas vezes totalmente nova e insuspeitada por parte daquele que pede ser acolhido e, mais importante ainda, exige o lançar de desafios à maneira de Jesus, que sempre abria novos horizontes e não deixava indiferentes todos quantos o encontravam.

Em Francisco de Assis, o acolhimento refere-se, sobretudo, ao amor-compaixão que abarca o ser humano e todas as criaturas. É a expressão singular daquela ternura que supera os muros e as fronteiras do mundo egocêntrico. É algo que afeta e atinge o outro na sua totalidade. É um amor visceral, que se comove e se move, com dinâmica própria, na direção do homem irmão e da mulher irmã. Ultrapassa as formas e estruturas instituídas. Procura e se encontra no outro, independentemente de suas situações e condições sociais, econômicas, políticas, culturais e religiosas. Assim estamos diante de uma expressão significativa inspirada na proposta do Evangelho, assumida por esse homem, como nos exorta (2Cel,85). A leitura e o encontro com o Evangelho (1Cel 22). Depois daquele encontro objetivo, ele vive novo modo de pensar, perceber e sentir a vida. Tudo aconteceu por iniciativa do Senhor. Foi conduzido por Deus a fazer uma experiência radical da misericórdia. Superou, então, as barreiras do medo e do preconceito. Aproximou-se do irmão, relacionando-se com ele horizontalmente, frente a frente. Esse encontro significou, também, acolhimento da realidade humana, nua e crua.

Francisco de Assis soube acolher a misericórdia de Deus. Soube amar ao próximo de maneira incondicional, portanto façamos hoje e sempre como o Pai Seráfico, Enquanto franciscanos (as) não deixemos que a tirania das aparências marginalize o irmão e a irmã. Não deixemos que a economia esmague a riqueza da vida fraterna, que tem como maior valor os dons espirituais de cada irmão e irmã (EP 85). Não deixemos que o individualismo ofusque a cordialidade. Não permitamos que a intolerância nos impeça de praticar a misericórdia. Somos todos irmãos e irmãs dados uns aos outros por Deus, para construirmos fraternidade, lugar de misericórdia.

 
 
 05 – AÇÃO CONCRETA:
 Proporcionar momento na fraternidade, no qual possamos refletir estas inquietações: Como estamos trabalhando a acolhida em nossas fraternidades? Comunidades? Pastorais? Na secularidade no qual estamos inseridos?
 
 04 –ORAÇÃO FINAL:
Ajudai-me, Senhor, para que meus olhos sejam misericordiosos, para que eu jamais suspeite nem julgue as pessoas pela aparência externa, mas perceba a beleza interior dos outros e possa ajudá-los. Ajudai-me para que meu ouvido seja misericordioso, de modo que eu esteja atenta às necessidades do próximo e não me permitais permanecer indiferente diante de suas dores e lágrimas. Ajudai-me Senhor, para que a minha língua seja misericordiosa, de modo que eu nunca fale mal do próximo; que eu tenha para cada um deles uma palavra de conforto e de perdão. Ajudai-me Senhor, para que o meu coração seja misericordioso, para que eu seja sensível a todos os sofrimentos do próximo; ninguém receba uma recusa do meu coração. Que eu conviva sinceramente mesmo com aqueles que abusam da minha bondade. Amém.
 
05 – CANTO FINAL:
Mantra: Onde reina o amor fraterno amor( bis)  Deus ai está (bis)
 
06 –PARA ENRIQUECIMENTO DO ESTUDO:

I- Leitura orante:

Jo 15,12

Tg 2 1-4

Rm 8,29

Mt 25,40

II Celano 85

I Carta 26

I Regra 7,13

I Regra 9,3

Divino afflante Spiritus,30-9-1943: DS 2294- Pio XII.

Livro Vida em Fraternidade.

 Autores:
 Ana Célia Carvalho Ferreira, OFS
Coordenadora Formação Regional NE A II CE/PI
Frei Jardiel Souza da Silva, OFM
Assistente Espiritual JUFRA CIL
 
Ler 118 vezes
© 2016 - Ordem Franciscana Secular do Brasil.
Rua Adro de São Francisco, s/n, Saúde,
Zona Portuária, Rio de Janeiro – RJ
CEP 20081-290 - Fone: 55 (21) 2240-4565
Email: ofsbr@terra.com.br